2 significativas experiências

Hoje publico umas das minhas experiências que me fazem repensar quando fico cética com relação à multidimensionalidade.

Estas experiências ocorreram no IIPC durante um curso chamado Escola de Projeção Lúcida.

Irei repassar, agora para o blog, quase do jeito como registrei no caderno, que foi logo após as experiências, e depois faço os comentários posteriores, do que aconteceu quando todos relataram suas experiências e as professoras puderam falar…


Aula 11: Projeção Consciente Conjunta
Tema de Pesquisa: Equipes Extrafísicas Assistenciais

Local: IIPC | Data: 27 de outubro de 2012 | Hora: 20:15

Ocorrências na Vigília Física Anterior (à projeção):

  • Estado Fisiológico: Boa disposição, constipação intestinal.
  • Estado Consciencial: Confiança, otimismo, tranquilidade.
  • Mobilização Básica de Energias: Alteração de luminosidade, arrepios, atividade no coronochacra, cardiochacra e plantochacra, entorpecimento, banho energético, calor, sons intracranianos.

Ocorrências na Vigília Física Posterior (à projeção):

  • Rememoração: Consciência contínua.
  • Estado Fisiológico: Boa disposição (energizado), desconforto físico.
  • Estado Consciencial: “Normalidade”.

Projeciografia/Projeciocrítica:

Na MBE:

  • Senti muita, novamente, energia acumulada nos plantochacras. Sensação diferente ao movimentar essa enegia, como se eu saísse de mim.
  • Não consegui fazer o EV.
  • Tive banhos de energia.
  • Exteriorização de energia para um colega de sala que relatou estar mal e sensação forte de bloqueio no laringochacra.

No colchonete:

  • Muitos pensamentos.
  • Uma colega de sala que deitava ao lado virou de posição em direção à minha e a senti mal, preocupada. Em seguida, senti cheiro, gosto, mal estar e imagem forte e seguida de cigarro. Exteriorizei energia para a suposta consciência e senti um banho de energia retornar para mim.
  • Visão do Ceaec! Local parecido com o do Jardim Botânico de Curitiba (de vidro). Voz dizendo “Equipe das orquídeas”. Visão de muitas plantas, flores, insetos. Gostei muito.
  • Pensamento intecional à minha mãe (alvo mental) e sentimento contínuo de gratidão, amizade, fraternidade. Pensamento semelhante a um amigo próximo. Pensamento intencional à minha avó.
  • Local diferente com uma das professoras. Muito amplo… Grande e parecido com nada daqui deste planeta.
  • Mudança positiva e necessária de postura.

Esse relato acima foi escrito quando terminou a minha experiência, e antes dela e da de todos os alunos serem compartilhadas.

O comando dado para a experiência do dia era a de fazer assistência a algum alvo mental, a alguma pessoa.

A moça que deitava ao lado do meu colchonete disse, no momento de compartilhar o que lhe ocorreu, que tentava fazer assistência a um conhecido dela, fumante. Mas que não estava conseguindo assistí-lo.

Eu não sabia disso. Mas eu vi claramente os vários aspectos de um cigarro na minha experiência e foi exatamente quando ela virou no colchonete!

Além disso, eu não escrevi, mas no momento em que eu resolvi exteriorizar energia para assistir a uma “suposta consciência”, eu devo ter percebido que havia alguma ali. Eu não lembro bem exatamente o que me fez supor isso.

Acabei de lembrar de outra confirmação interessante. Lembro de perceber que este homem assistido era uma pessoa no geral muito boa, tendo como maior traço fardo o fumo. E foi assim que a moça o descreveu.

Quando chegou o meu momento de relatar, avisei da sincronia. Foi bem interessante. Então, relatei as outras experiências.

Contei a da visão do Ceaec e então a professora me deu a notícia de que lá estava sendo construído um orquidário! Ora, eu também não sabia disso. E ela ainda me disse que era uma notícia bem recente, não muito conhecida ainda, só ela quem sabia.

Essas foram as experiências significativas. As duas no mesmo dia, no mesmo momento.

 

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

Sonho boiando, abajur quebrado e tentativa de voo

Estava dirigindo no meu carro. De repente ele começou a boiar. Não sabia em quê e só enxergava escuridão.

Não sei em que momento resolvi ligar o abajur ao lado da cama. Mas o interruptor havia quebrado. Insisti e não deu certo. Essa cena parecia tão real.

Também não sei em que outro momento, mas acho que depois desses dois, percebi que estava projetada, e querendo melhorar as duas situações, tentei com a vontade subir até depois do telhado, para ver o céu estrelado e voar nele. Mas apenas o que senti foram vibrações e nada acontecia mais.

Acordei. Liguei o abajur, funcionava normalmente.


No dia seguinte, o abajur deu problema no interruptor. Antes do sonho, já ocorrera o problema duas vezes em um ano.

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

Sonho ou projeção?

Sexta-feira, 06 de janeiro de 2011.

Sonhei que me projetava. Será que foi sonho mesmo?
Estava eu consciente (só em sonho?) e tentava me mover. Só que estava difícil e “duro”, mas eu fui persistente e com alguma força saí do meu corpo, estava tudo bem pesado… E eu me rastejava pelo chão, algo como tentando “segurar” aquele momento. Depois me lembrei que eu não precisava fazer aquela força toda, que era só me imaginar leve… E imaginei isso. Então consegui sair mais amplamente do lugar, acho até que dei uma voadinha rápida.
Cheguei até a varanda, à janela, e estava pronta para voar…! Era a confirmação de que aquilo era um sonho mesmo ou era a realidade.
Quando estamos sonhando fica difícil saber o que é um e o que é outro. Fiquei cuidadosa ao tentar voar, pois se eu estivesse na realidade iria morrer. Então eu fui aos poucos, não soltei os pés que estavam no parapeito. De repente, me vi em posição quase perpendicular, sem tirar os pés do parapeito. Aquela posição me dizia que se fosse a realidade, eu já teria caído.
A minha experiência de comprovação foi essa, não cheguei a voar livremente…

Publicado em Uncategorized | Publicar um comentário

15 de março de 2015, domingo

Deitei, interrompi pensamentos, relaxei e soltei o corpo. Levei minha consciência, com bastante energia na cabeça, para todas as partes do corpo, criando compensações e equilíbrio.

Senti o corpo energético grudado ao corpo material. Tentei sair algumas vezes, mas só consegui partes. Estava também em uma outra dimensão ambiental. Não era mais o meu quarto e sim algum quarto onde estava também o meu irmão e a minha família.

Senti medo com as energias gravitantes ali e exteriorizei umas melhores. Acordei em seguida com aqueles pensamentos, que também me remeteram a uma conversa que tive à tarde com um amigo, cujo conteúdo realmente podia assustar.

Apesar do pouco medo, mas querendo limpar meu ambiente, decidi me conectar com os amparadores. Senti e desejei o bem. Li matérias jornalísticas que promovem a paz.

Dormi e só acordei agora pela manhã.

Publicado em Tentativa | Publicar um comentário

Relato de uma prática no IIPC

Fenômeno: Clarividência viajora
Ambiente: Sala IIPC, penumbra
Horário: manhã

Data: 29/01/2012 Domingo

Exercício de MBE e ativação dos chacras coronário e frotal simultaneamente.

Após isso, o objetivo era através de clarividência viajora, descobrir o objeto que foi colocado no centro da mesa da biblioteca.

Minhas sensações físicas não eram boas e minhas percepções estavam abaladas pela ansiedade.

Porém algumas imagens passaram pela minha mente, como sempre acaba acontecendo. Principalmente de rostos extraterrestres.

Mentalizava a mesa da biblioteca, que pra mim eram daquelas circuladas por uma espécie de faixa metálica. Acabei enxergando no centro algo pequeno e metálico. Não sabia o que era exatamente.

Após isso, “paraouvi” claramente um colega de classe dizer “Ah, é uma caneta”. Senti como se ele esperasse que havia sido uma caneta pela obviedade e facilidade que haveria de se encontrar uma caneta ali.

Depois me veio a imagem clara e repentina de um pergaminho enrolado…

Em todas estas etapas eu trabalhava o frontochacra, a intenção, o ambiente da mesa e biblioteca, a fim de conseguir “chegar lá”.

Após estas visões, mescladas com alguma constância por vistas extraterrestres, vi uma garrafa de água, dessas metálicas…

Havia visto também borrões vermelhos, logo no início, mas não sei exatamente em que parte da sequência de visões. Porém, achei que estava enxergando os meus chacras da base e como não era a intenção levar energias pra lá, me refiz e voltei a tentar enxergar.

Após o meu relato na sala, um garoto à minha frente disse que viu algo vermelho. Lembrei na hora que eu tinha visto também. Mas não comentei, pois queria dar mais espaço para que os outros pudessem participar. Sinto-me muito egóica querendo contar todas as sensações extrafísicas que eu tenho, pois são muitas em relação à turma.

Qual era o objeto, afinal?

Uma garrafa de água toda vermelha (e alguns desenhos).

Publicado em Clarividência Viajora | Publicar um comentário